30 setembro 2007

'Sei lá se isso é legal'



Resposta do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, há instantes, à questão de Flor Pedroso no contexto da eleição do novo líder do PSD e dos aditamentos a cadernos eleitorais em plena votação.

Marcadores: , , ,

O Estado em perigo.


'Arte, industria e força, tudo se emprega; tudo se põe em movimento contra o infeliz Estado: novos pretendentes produzem novos partidos: novos partidos fazem novos interesses: novos interesses geram novas paixões. Então, se perde de todo a tranquilidade, e a segurança pública'.

Fr. Francisco do Coração de Jesus Cloots WANZELLER [1793] Sermão que foi prègado na igreja da Real Casa Pia no Castello em acção de graças pelo feliz nascimento da Nossa Augustissima Princeza da Beira, em 16 de Maio de 1793 e offerecido ao nosso incomparavel Príncipe o Senhor D. João, Lisboa: Officina de Simão Thadeu Ferreira, p.12

[D. Maria Teresa Francisca de Assis Antónia Carlota Joana Josefa Xavier de Paula Miguela Rafaela Isabel Gonzaga de Bragança e Bourbon nasceu em Queluz a 29.4.1793 e faleceu em Trieste em 17.1.1864. Princesa da Beira,infanta de Espanha e Condessa de Molina, casamento em 13.5.1810 com seu primo o Infante Pedro Carlos de Bourbon de Espanha].

imagem: "ESTA PONTE FOY PRINCIPIADA NO ANNO DE 1793 EM QUE NASCEO A SERENISSIMA SENHORA PRINCEZA D. MARIA THEREZA, E ACABOU-SE NESTE ANNO DE 1795, EM QUE NASCEO O SERENISSIMO SENHOR PRINCEPE DA BEIRA D. ANTÓNIO.", Leiria.

Marcadores: , , , ,

E continuamos sem saber...

Monteverdi em dia de chuva.


MONTEVERDI, 'Pianto della Madonna', Motetti a voce sola
intérprete: Maria Cristina KIEHR
e
Concerto Soave [dir. Jean-Marc Aymes]

ed. Harmonia Mundi


Especial destaque para as faixas 3, 5 e 10:

3. Currite populi

5. Venite, videte

10. Exulta, filia Sion

Marcadores: , , , ,

Então e o actual Primeiro Ministro?



'relevante, e preocupante, o facto de os políticos no activo virem cada vez mais das juventudes dos partidos, infelizmente nunca tendo feito outra coisa na vida além de política partidária'


Francisco SARSFIELD CABRAL
in Diário de Notícias, 8.3.2005





Sir Max Beerbohm
D.G. Rossetti Precociously Manifesting ... that Queer Indifference to Politics ... , 1916-17

Marcadores: , , , , , , , ,

29 setembro 2007

Fátima.


falámos aqui de Fátima, sobretudo para criticar o abuso da fé e da religião, e com sequência.

Desta vez falamos de Fátima a propósito da disparatada Igreja da Santíssima Trindade.


A estupidez da construção de novas igrejas
, a torto e a direito, sem qualquer cuidado arquitectónico, muitas vezes, não pode ser aceite.

A área de intervenção é de 35.673 m2, a área Bruta de construção 38.516 m2 [igual a 3 campos de futebol], o volume de construção de 130.000 m3, as vigas principais têm comprimento de 182 metros e meio, sendo a capacidade de 200 + 400 lugares sentados 'para portugueses' e 140 + 140 lugares sentados 'para estrangeiros' e confessionários para 32 'portugueses' e 16 'estrangeiros'. Um verdadeiro MacDonalds, tirando o preço: 80 milhões de euros.

Com a celebração dos '90 anos das aparições' [que se fossem hoje, teriam como consequência provável um teste de despistagem de drogas pela nossa GNR], inaugura-se esta nova Igreja, iniciada em Março de 2oo4, e que é simbólica.

Símbolo do desprezo pelo património histórico, artístico e religioso.

Pois há igrejas fantásticas; centenárias ou milenares, espalhadas por Portugal e por esse mundo fora, que estão a cair. Seria bem mais importante que se recuperassem essas, e se abandonassem planos megalómanos, de mercantilização da religião.

Como se de um hamburguer se tratasse.


imagem: Convento do Carmo, um dos exemplos mais típicos de património degradado e nunca restaurado. O mesmo se aplica a muitas, tantas, igrejas e conventos, como se sabe, alguns tão importantes, como a capela do Castelo dos Mouros [do tempo de D.Afonso Henriques e que continua sem tecto e sem paredes na nave, mas onde ainda se notam frescos no altar] ou as famosíssimas 'capelas imperfeitas', do Mosteiro da Batalha.

Marcadores: , , , , , , ,

28 setembro 2007

Gin...


... no LorenzettiCome.

Marcadores: , , , ,

Bush aprende a ler.



O DN falou do tema sob o título 'Bush recorre à fonética para dizer "sar-KO-zee"'

O USA Today foi mais detalhado:

White House upset over copy of Bush speech posted to U.N. website

Apparently, a marked-up draft of the president's speech popped up on the U.N.'s website as President Bush delivered his remarks this morning before the General Assembly, USA TODAY's David Jackson reports. The draft included phonetic spellings of some names and countries, and the cellphone numbers for Bush speechwriters.



Press secretary Dana Perino downplayed the incident, and said phonetic spellings are used to help interpreters. Asked if the president has trouble pronouncing some country's names, Perino deemed it "an offensive question."

"There was an error made," Perino said, noting it was not a final draft.

"It was taken down and there's nothing more to say about it."

[...]

Blake Hounshell at Foreign Policy says he has a copy of the speech that got the White House so worked up this morning. Here are some of the phonetic guides it included, according to the magazine's blog:

• Kyrgyzstan [KEYR-geez-stan]
• Mauritania [moor-EH-tain-ee-a]
• Harare [hah-RAR-ray]
• Mugabe [moo-GAH-bee]
• Sarkozy [sar-KO-zee]
• Caracas [kah-RAH-kus]

Update at 2:33 p.m. ET: Here's an excerpt from the press secretary's exchange with reporters about the speech snafu. It was released by the White House.

[...]

REPORTER: And they were phonetic spellings of various countries -- as well, we understand.

PERINO: That's not unusual. We do that for many speeches.

REPORTER: Does the president have a hard time pronouncing some of these countries's [sic] name?

PERINO: I think that's a offensive question. I'm going to just decline to comment on it.


Ficamos a pensar como seria a leitura, por Sarkozy, e não por Bush, de um discurso com 'ajuda fonética', nas seguintes circunstâncias:

Marcadores: , , , , , , , ,

e-Government, ma non troppo.


No DN de 2o.o9.2oo7 uma reportagem com o título'Portugal nos 'tops' no 'e-government' europeu' é ilustrada com a página online do Diário da República.

O que o artigo não diz -- e que espero que o ranking não contemple -- é o facto de grande parte do Diário da República online é de acesso pago ou, como refere o dito site [e visível na ilustração do DN], 'Serviço de Assinatura - Informação de Valor Acrescentado', sendo necessária a 'Validação do Utilizador', na área de 'Acesso Reservado a Assinantes do DRE', introduzindo-se o nome/número de utilizador e uma password...

'E o que são estes serviços de valor acrescentado / assinaturas?', pergunta o leitor. Desde logo, os 'Diários da República' [ou seja legislação e afins] com mais de um mês.

Se só tivéssemos de cumprir a legislação até um mês da data de consulta não era mau. Mas não é o caso.

Será esta a forma de estimular o acesso dos portugueses à informação jurídica e, em especial, estimular o conhecimento e cumprimento das leis?

imagem: o 'Diário do Governo', predecessor do DR, tal como as 'Cortes' e a 'Assembleia Nacional' antecederam a AR.

Marcadores: , , , ,

27 setembro 2007

Mourinho e Santana. Futebol e Política.



Já aqui falámos de Santana Lopes, sendo estas algumas delas:

A Crise no PSD

A dissolução da Assembleia da República

O Cavaquistão

Em regra, discordámos dele. Víamos pouco conteúdo e muito espalhafato.

O Público teve a gentileza de publicar o vídeo, que anda no YouTube, sob o título 'Santana Lopes versus José Mourinho versus SIC Notícias'.

Desta feita, concordamos inteiramente. Não que tenha ganho conteúdo. Mas tem mais souplesse. E apanha bem os flancos:

'Sabe onde é que estávamos? Sabe...? E acha que isto se justifica? Já que estamos a falar de correcção, acha que isto se justifica? [...] eu só lhe pergunto se é assim que o país anda para a frente. As senhoras convidam-me para vir aqui, para vir falar de assuntos importantes [...] chego aqui e sou interrompido pela chegada de um treinador de futebol. Acho que o país está doido. Desculpe dizer... Com todo o respeito. E portanto, não vou continuar a entrevista. Acho que as pessoas têm de aprender'.

Num verdadeiro chapeau, Santana Lopes fez aquilo que pessoas supostamente mais dignas não fizeram: recusou participar no circo mediático [que, reconheça-se, foi o instrumento que sempre usou para vingar na política].

Interromper uma entrevista
com um ex-primeiro ministro, ou outra pessoa qualquer, para mostrar um treinador de futebol a chegar a um aeroporto é, além de deselegante [para não dizer javardo] uma estupidez que justificada pela guerra das audiências, demonstra a ausência de sentido crítico e a existência de critérios jornalísticos bem duvidosos.

Não digo que a SIC deva por isto perder a sua licença de operador de televisão... mas neste tipo de episódios não faz por merecê-la.

Sobretudo, quando se expôs, abertamente, ao chapeau de Santana Lopes.

Que, pasme-se, sai com toda a dignidade.

E com o nosso aplauso.

Marcadores: , ,

Requeijão Connection.


A minha ligação a Seia é uma: o requeijão.

Adoro aquele requeijão.

Simples, ou num bom pão, ou numa salada, ou num pudim. Etc..

Parece que em Seia há uma localidade chamada Várzea de Meruge.

Li num e.mail que me mandaram e que pelos vistos anda a circular que 'a população cansou-se de pedir ao presidente da Junta que reparasse o piso de uma rua. Vai daí, decidiu plantar couves nos buracos... e agradecer ao presidente'.

Delicioso.

Suponho que em Lisboa haja uma equivalência.

Por exemplo, nos sítios onde faltam passeios ou onde -- quão frequente -- a estúpida insistência na 'calçada portuguesa' -- que apenas é bonita se bem mantida -- faz com que haja buracos por todo o lado e se passe a vida a tropeçar, ou escorregar, caso nos aventuremos a andar a pé na acidentada capital.

Podemos pois pedir aos habitantes de Várzea de Meruge que nos emprestem umas couves.

Sempre animavam a pálida calçada portuguesa, e sempre podíamos agarrar-nos a elas quando escorregássemos.

Quem disse que Lisboa não precisava da Várzea?

E já agora, do Entroncamento. Pois só uma couve gigante seria capaz de tapar esse grande buraco que é o orçamental.

Marcadores: , , , , , , ,

26 setembro 2007

Les moules sont arrivés!


E Lorenzetti também.

Marcadores: ,

23 setembro 2007

Volto na quinta.

Marcadores:

P S D .

Lemos hoje no DN que 'Santana admite liderar bancada social-democrata
"Ou se faz oposição a sério na AR ou não vale a pena estar lá"
'.

Santana Lopes, outrora gozado / invejado pelos seus pares e eleitores pelas alegadas noitadas e algaraviadas, ridicularizado pela classe cultural pelo seu fraco desempenho intelectual, entretanto expulso de um dos mais altos cargos do Estado por Jorge Sampaio, então Presidente da República, é hoje um homem normal, um político normal, e um candidato admissível à liderança do PSD.

Marques Mendes revelou-se insonso, e Menezes ressabiado. E ambos pouco preparados até mal educados. Já não bastava a falta de conteúdo das campanhas de ambos para a liderança do PSD, a forma como se exprimem é vergonhosa.

Em política não há reformas nem impossíveis, já se sabe.

E tendo em conta do estado lastimável do PSD, Santana -- também ele lastimado -- parece saudável.

E apto, até, para segurar um partido que já nem Santana é tão mau para liderar.

Escrevo isto não por amizade ao PSD, mas pela necessidade de estabilidade política em Portugal.

Sendo que estabilidade não é partido único. Como está a acontecer: um Governo, uma maioria, um presidente e um presidente de Câmara.

PCP, Bloco de Esquerda e restantes [mesmo com o ressuscitar de Paulo Portas], nada parecem estar a fazer [à excepção do PCP, que tem subido nas sondagens, mas ainda muito longe de fazer concorrência de votos ao PS.

O PSD é como que um testamento político de Sá Carneiro, ao qual não apareceu nenhum herdeiro, apenas candidatos.

Seja Santana ou outro qualquer, alguém tem de salvar o PSD. A bem dizer, aquilo a que outrora se chamou a oposição.

Marcadores: , , , , , ,

Pormenores.



São sempre a razão do resultado. E os de facto, por mais expertise que se tenha, são mais relevantes. E ego, um trágico inimigo.

Assim acontece em Fracture.

Marcadores: , , , , ,

Estabilidade?


'...while Switzerland is linguistically diverse, the component cantons exhibit a high degree of homogeneity in terms of language and religion. This, in combination with the fact that lines of language, religion and economic progress are cross-cutting, has ensured the stability of the Swiss state'

Eric KAUFFMAN National Ethnicity' and the Modern State


'...Perhaps we are entering a new stage in history in which the demographic flaws in liberalism will become more apparent, paving the way for the return of a communitarian social model. This may still leave democracy, liberalism and mixed capitalism intact. But it will challenge modernism, that great secular movement of cultural individualism which swept high art and culture after 1880 and percolated down the social scale to liberalise attitudes in the 1960s. Cultural modernism has accompanied technological modernisation in the west, while the non-western world has usually modernised its technology rather than its values. Daniel Bell prophesied that modernism's antinomian cultural outlook would prompt a "great instauration" of religion as people sought spiritual solace from the alienation of modern life. Bell has so far been proved wrong, but history may yet vindicate him as we bear witness not to spiritual revival, but to a religious reconquista based, ironically, on the nakedly this-worldly force of demography...'

Eric KAUFFMAN na Prospect de Novembro de 2oo6.

Marcadores: , , ,

Revistas.


Recebi o primeiro número 2oo2. Era o 'Quarter 1', o volume 12 e o seu número 1.

A revista chamava-se Regional Review -- tão simples como isto -- e era mesmo uma revista [não aquelas que parecem livros disfarçados].

Poderia até sê-lo, pois era editada pelo Federal Reserve Bank of Boston: seria de esperar algo maçudo.

Não era. O seu peso era pluma e o tratamento dos temas [esses sim, alguns pesados] era pluma também.

O design era uma lufada de ar fresco, como se pode ver aqui.

Entre 2oo2 e 2oo3, apenas 8 números [embora já existisse nos anos 90 e tenha acabado apenas em 2oo5, no segundo 'quarter'/semestre] , animou a minha caixa de correio, sem que eu tivesse de pagar alguma coisa por isso. E sendo de qualidade, tanto em conteúdo, como em design e em material. Tenho neste momento ao lado o vol. 14, no.1, de 2oo3-2oo4. O tema de capa era 'Possession Obssession: Why People Collect?'. Já se está a ver que caiu nas graças de Lorenzetti. Outros temas eram 'impact of deflation', 'high-tech metropolis', 'food preparation'.

Interessava-me mesmo. Alguns artigos mudaram a minha percepção do mundo económico: o artigo sobre o mercado do café, por exemplo: '...Coffee prices have plummeted to 30-year lows, hitting a historic bottom of under 39 cents a pound last October. The price drop, 82 percent from just four years earlier, forced the National Federation of Coffee Growers of Colombia to pull the plug on one of the world’s most successful marketing icons. Coffee is not a trivial matter in the developing world. Coffee is the second-largest export earner for developing countries, and is the main source of foreign exchange for several nations, accounting for over half of export earnings in countries like Burundi and Uganda. ... the circumstances affecting producers have gone largely unnoticed in the United States, the world’s largest coffee consumer...In fact, changes in supermarket prices have been obscured by the much more dramatic expansion in the variety and sophistication of the coffee menu available to ordinary consumers... coffee has become an “affordable luxury.”'...] ou o adorável artigo sobre branqueamento de capitais ou o 'A [Mild] Defense of Luxury'.

No início adorei o design; mais tarde o conteúdo. O design era apelativo pelo papel glossy, brilhante, pela escolha das cores, que apesar de muitas, combinavam na perfeição, pelo corte sharp, pelo contraste, pelas fabulosas ilustrações e desenhos, pela qualidade da fotografia, pelo lettering sempre inovador e nada aborrecido. O conteúdo pela variedade [tanto se falava de lixo, como de maçãs, ou de câmbios, ou de design, ou de arrendamento], pela seriedade, pela descontracção no tratamento dos temas, pela simpatia da Carrie Minehan a abrir cada número, e os textos da Carrie Conaway, da Jane Katz, etc., etc..

Felizmente, quem não a folheou em papel, pode agora lê-la online. Menos mal.

Era gira como a Wallpaper, mas mais pequena, grátis, e com mais qualidade de conteúdo sério, mesmo se fora de moda. Quase que a complementava, em parte, na dimensão 'regional'. Hoje, combino tudo na Monocle, revista que junta os meus maiores interesses:

Affairs
Business
Culture
Design
Edits

A Monocle é, para o bem e para o mal, mais 'livro'. É ainda mais espessa que a Wallpaper. Mas continuo a sentir a falta da minha pequena Regional Review e as cartas do Maine, New England, onde o Outono consegue ser mais belo que a Primavera, e onde o Inverno consegue ser mais belo que o Verão.

Marcadores: , , , , , , ,

Nimesulida.


Finalmente foram divulgadas conclusões quanto aos perigos anunciados da Nimesulida, ingrediente activo de muitos dos 'anti-dores' disponíveis no mercado farmacêutico um pouco por todo o mundo.

O Infarmed emitiu esta nota, bem como a circular 163/CD parcialmente citada abaixo:

'Recomendações relativas à restrição de utilização de nimesulida

[...]

A Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, INFARMED, IP, informa que:

Tendo finalizado a revisão de segurança hepática das formulações sistémicas dos medicamentos com nimesulida, a Agência Europeia do Medicamento (EMEA) concluiu que os benefícios destes medicamentos são superiores aos riscos.

Contudo é necessário limitar a duração de utilização e restringir o seu uso de forma a minimizar os riscos para o doente.

Os medicamentos com nimesulida em formulações sistémicas encontram-se aprovados em vários Estados membros da União Europeia no tratamento da dor aguda, tratamento sintomático da osteoartrose dolorosa e dismenorreia primária (dores menstruais).

As autorizações de comercialização dos medicamentos com nimesulida foram suspensas pela Agência do Medicamento Irlandesa em 15 de Maio de 2007, na sequência de notificações de reacções hepáticas graves. [...]

Após ter avaliado toda a evidência científica actualmente disponível, o CHMP concluiu que não se justifica que o medicamento seja suspenso na Europa. Contudo, este comité concluiu ser necessário proceder à alteração das autorizações de comercialização, modificando a informação disponibilizada aos médicos e doentes com o objectivo de minimizar o risco de hepatotoxicidade.

Por conseguinte, o CHMP recomenda que o tratamento deve ser limitado a um período máximo de 15 dias e, como tal, todas as embalagens contendo mais de 30 doses (comprimidos ou saquetas) devem ser retiradas do mercado. Aconselha-se os médicos a que a decisão de prescrever nimesulida tenha em consideração a avaliação global dos riscos individuais do doente.

[...]

Marcadores: , , ,

22 setembro 2007

Boliqueima rei.

Algumas das razões da crise.



CCB, hoje Museu Berardo.





'Estádios demasiado grandes para a necessidade do país; câmaras municipais excessivamente endividadas para os próximos 20 anos; derrapagem de 13,3% nas acessibilidades; e mais de mil milhões de euros de investimento público total. As conclusões críticas são extraídas da segunda fase de auditoria ao Euro 2004 e levam o Tribunal de Contas (TC) a questionar "se o elevado montante de apoios públicos" ao campeonato organizado por Portugal no Verão de 2004 não poderia ter tido "uma utilização mais eficiente noutras áreas de relevante interesse e carência pública".

"Os novos estádios do Euro 2004 estão sobredimensionados, o que pode ser constatado pelas baixas taxas de ocupação, da ordem dos 20 a 35%", refere o relatório da auditoria divulgado ontem pelo Tribunal de Contas, adiantando que "em alguns dos estádios, nem durante o Euro 2004 se atingiu a lotação máxima".

Os apoios directos atribuídos pela Administração Central aos promotores privados (Benfica, Sporting, Boavista e FC Porto) para a construção dos estádios e estacionamentos totalizaram 66,1 milhões de euros [...]

O valor total da comparticipação financeira do Estado atribuída em conjunto aos promotores públicos e privados foi de 109,1 milhões de euros [...] os quatro promotores privados beneficiaram, para lá da comparticipação directa do Estado através dos contratos- -programa assinados, de um considerável apoio indirecto por parte das respectivas autarquias, principalmente através da compra e doação de imóveis e equipamentos, "considerados avultados, que se traduziram em desequilíbrio a favor dos clubes", refere o TC.

Até Julho de 2005, a Câmara Municipal de Lisboa doou ao Benfica 49,5 milhões de euros e ao Sporting cerca de 10 milhões. No Porto, os montantes são ainda mais consideráveis a autarquia local apoiou o FC Porto, através do Plano Pormenor das Antas (PPA), em mais de 88 milhões de euros.

Em relação ao custo dos estádios projectados por autarquias, houve um desvio médio de 230% no preço final. A obra arquitectónica de Souto Moura em Braga é o pior exemplo os 29,9 milhões de euros de custo de referência cresceram até aos 108 milhões, numa derrapagem de 360%. O Estádio do Algarve foi o que se desviou menos do preço previsto (154%)[...]'.

DN, 21.12.2oo5



Próximas asneiras governamentais [excepto na parte do financiamento europeu]: TGV e Aeroporto.



Marcadores: , , , , , ,

Too cool for school.



Afinal it DOES work INSIDE !

Já falámos aqui da 'questão' de Guantanamo, tortura, EUA, etc. etc..

E também vimos vídeos recentes de como o taser está a ser usado nos EUA [em universidades! e provavelmente em breve em Portugal, numa polícia perto de si].

Os vídeos divulgados sugerem algo muito claro: que o taser é uma excelente arma de tortura [sendo que os choques eléctricos já não são novidade para ninguém nesse campo, e 'taser' um nome cool para uma coisa nada cool...].

Não deixa de ser simpático, pagar impostos canalizados para adquirir armas utilizadas contra os contribuintes, porque os estudantes universitários em causa, em particular o caso mais divulgado, não ofendeu nenhuma lei, apenas usou o seu direito de livre expressão num debate universitário, e outro não tinha ID consigo -- coisa bem comum no Reino Unido, aliado dos EUA. Aliás é interessante ver que as acusações que seguem contra estas vítimas de taser são obstrução à actividade da polícia no exercício da actividade policial, mas sendo que a actividade policial tem de ser justificada pela suspeita da prática de um crime qualquer, esse é que já não existe. O que significa, obviamente, falta de proporcionalidade / excesso / abuso de autoridade, típico de regimes políticos bárbaros.




Parece-me menos desumano levar com um tiro e morrer do que ser vítima de um taser. Ou, descodificando, choques eléctricos aplicados pela polícia. Sobretudo como num dos vídeos divulgados, onde se dizem pérolas como 'stand up or you'll get tased again'.

Puro terrorismo de Estado.

È mais 'stand up against it, or you'll get tased too'!

Há, até, que actualizar a música de Chaka Demus & Pliers:

Hoh-oh, Hey-eah-eah, Huh, Hoh darli-in', Mmm-mmm-mmm-mmm
She's floating like a butterfly, so char-arming, mmm-mmm-mmm (baby girl)
She recognise the man in me-ee-ee (number one in de world)
There's something in her eyes like a spell getting me hypnotized
Ooh Lor-ord, she give me one smile, two smile, three smile
She got me going wild (worth more than diamonds and pearls)
So baby-y, don't change your sty-yle (sweet honey) oh no no love

Tase me tase me tase me tase me baby (yeah-eah) 'til I lose contro-ol
Tase me with your lovin' 'til I lose control, Take all my body and soul, Hoh girl, mmm


Woman your love is like burnin' fire in a me soul , Woman, tase me 'til me lose control
Woman your love is like burnin' fire in me soul, Woman, tase me 'til me lose control

Me ball tase me, and tickle up me fancy
Right 'round the clock until me reach climax
And when me reach, me will tell you de stop
We a aim fe de the sky, and we na turn back, brrrrpppp

Suddenly I think I find the love that I was searchin' for, huh, mmm-mmm
Holding confidence that will never never fail
Hearing angel voices, singing love prevail
Ooh darli-in' ooh, eh come closer to me-ee and me ball out
When me sing I'll come



Tase me tase me tase me tase me baby (yeah-eah) 'til I lose contro-ol
Tase me with your lovin' 'til I lose control
Take all my body and soul, Hoh girl, huh

Tase me tase me, tase me tase me baby (yeah-eah) 'til I lose contro-ol
Tase me with your lovin' 'til I lose contro-ol
Take all my body and soul, Hoh girl, you know me know


I will never forget the first time we kiss, it's like striking gold, catchin' a big fish
Yes, you are on top of my romance list, second to none, you defeat the favourite

Woman your love is like burnin' fire in a me soul , Woman, tase me 'til me lose control
Woman your love is like burnin' fire in me soul, Woman, tase me 'til me lose control

And even if my mind should resist, huh, huh
Hoh-oh-oh, yeah-eah-eah

Tase me tase me tase me tase me baby (yeah-eah) 'til I lose contro-ol
Tase me with your lovin' 'til I lose control
Take all my body and soul, hoh girl, huh

Tase me tase me tase me tase me baby (yeah-eah) 'til I lose contro-ol
Tase me with your lovin' 'til I lose contro-ol
Take all my body and soul (fade)


E é mesmo 'fade'...

Marcadores: , , , , , , , ,

21 setembro 2007

Os EUA no seu melhor?



Democracia à americana. Como de costume. A expressão 'autoridade moral' e a palavra 'coerência' devem ter sido riscadas do dicionário do país mais 'activo' na comunidade internacional e na 'imposição' de um modelo democrático. Fora dos EUA, claro.

Marcadores: , , ,

Educação.


'Children are not to be taught by rules, which will always slip out of their memories. What you think necessary for them to do, settle in them by an indispensable practice, as often as the occasion returns; and if it be possible, make occasions'

'I think I may say that of all the men we meet with, nine parts of ten are what they are, Good or Evil, useful or not, by their education. 'Tis that which makes the great difference in mankind: the little, and almost insensible impressions in our tender infancies, have very important and lasting consequences'

John LOCKE [1693] Some thoughts concerning education

Marcadores: , , , , , ,

Os clubes.


'The clubs proper were then limited in number, and Leigh's list contains but eleven. Of these the Albion, Arthur's, Boodle's, and White's, were in St. James's Street; the Alfred and the United Service were in Albemarle Steet, and the Union in St. James's Square. Those that still exist and have changed their venue since 1818 -- the date of this list -- are the Union which went to its present home in 1822, and the United Service which migrated to Pall Mall in 1822, to premises built by Nash. The clubs may be said to have been the focus of much of the west end life of the period, but except in one particular, they can hardly be regarded as centres of amusement'.

E. Beresford CHANCELLOR [1926] Life in Regency and Early Victorian Times - An account of the days of Brummel and d'Orsay 18oo to 185o, London: B.T. Batsford, p.5

imagem: George CRUIKSHANK [c.183o] The Headache.

Marcadores: , , , , , , , ,

20 setembro 2007

Moda is back?


Sometimes.

Valentino reformou-se recentemente, seguindo os passos a outros. O Victoria and Albert Museum celebra a Haute Couture 1947-1957. Enfim, a moda parece estar há muito em declínio e continua assim.

Já não há 'grandes' costureiros com grande impacto público. O boom dos 40s/50s, a democratização dos 60s/70s e a explosão da moda de pronto a vestir nos 80s/90s já não existe.

Vivemos hoje num status quo maçador quanto à moda: faltam génios criativos como Lagerfeld foi outrora, e clássicos como Yves Saint-Laurent, Christian Dior, Elsa Schiaparelli, Coco Chanel, Jean-Louis Scherrer, e tantos outros.

Porém aparecem algumas excepções. Em Portugal, Lorenzetti apreciava o talento criativo de Osvaldo Martins, o quase clássico Tenente e o quase classicismo da malograda dupla Cravo/Baltazar. E vão aparecendo alguns nomes, esporadicamente, que nem sempre duram muito, às vezes é só uma colecção de uma temporada, e não propriamente um estilo ou toda uma carreira.

Acaba hoje a London Fashion Week desta temporada. E gostámos -- em comparação com os restantes -- de Zac Posen, que apareceu em 2oo2, na onda que estilistas norte-americanos que veio substituir o bom Ralph Lauren, a saloia Donna e o quase feirante Calvin Klein:



Afshin Feiz também está de parabéns, mas pela temporada anterior:

Marcadores: , , ,

19 setembro 2007

Democracia peculiar.

Um filme integral.

Getting old.


A Teresa, again [depois de corrigidos os erros ortográficos e acrescentados 'bolds' e uns vídeos...].

'Sexta-feira, Setembro 24, 2004
As Rugas, tal como as conhecemos (ou devíamos conhecer) [baï Teresa]


Acho que nos podemos deparar com um fenómeno sociológico interessante quando pensamos na faixa etária que, em geral, predomina na noite nos tempos que correm.

[...]



Sim, é verdade, é só crianças... Homenzinhos aos quais temos vontade de apertar as bochechas e de espetar um pacote de leite com chocolate na boca, ao mesmo tempo que admiramos a sua delicada pele tão branca e tão suave, ainda não corrompida pelas violências deste mundo cão.

E o que fazer quando a discoteca mais conhecida de Lisboa esta superpopulação desses seres irritantes e vivazes, que fervilham os sítios públicos como uma praga de gafanhotos com o cio? Gritar? Protestar? Insurgir-se? Não, meus amigos, não... a resposta é muito mais simples e esta, infelizmente, a frente dos nossos delicados narizes. A resposta é: Nada.

[...]

Ao longe se vão os dias em que íamos para as discotecas repletas de “mais velhos”. E que éramos umas “pitas” que mentiam sobre a própria idade para serem levadas para um canto escuro sem muitos remorsos.

Tudo era brilhante e fascinante, e nem por isso era eticamente reprovável andar a frente de toda a gente aos beijinhos com um rapazinho que tínhamos acabado de conhecer,e na noite seguinte outro, e na noite seguinte outro (não sei se alguma vez repararam: mas a adolescência foi uma autentico paraíso sexual de plurigamia e liberalismo). Those days are gone my friends.

Este é, realmente, o eterno drama feminino: o tempo passa e uma mulher começa a ver que está velha, gorda, e que já ninguém a quer. E, enquanto um homem de quarenta anos tem todas as possibilidades de ser um “Dr charmoso” (com o seu Jaguar e os seus cabelos brancos tão sexys), uma mulher a partir dessa mesma idade é uma amálgama confusa de pedaços de carne decompostos e de peles estranhíssimas por toda a parte.

Ninguém a quer, e o homem troca-a por uma rapariga de vinte anos. O homem, esse, continua a viver feliz e contente na boa vida até ao final dos seus dias.



É assim que a sociedade esta construída. Um Homem velho é um “Senhor”, uma mulher velha é uma “Velha”. Posto isto, as mulheres a partir dos seus vinte anos, têm que começar a tratar do seu lugar na sociedade que as rodeia. Há que casar o mais cedo possível , não andar ai a saltar de um para outro; pois, consciente ou inconscientemente, sabem que, quando chegarem aos 40 anos, encontrar um homem tratar-se-á de uma missão quase impossível.

Eu não... eu não consigo, eu sou o que se chama a atrasada mental que continua a remar contra a corrente, asnamente, porque ainda não percebeu que o sistema é maior do que ela. E como tal, enquanto que as minhas amigas estão em casa ,demasiado ocupadas a tratar do seu futuro conjugal (com os seus Jões) esquematicamente perfeito e da sua futura família concorrente a anúncios em pacotes de cereais Corn Flakes, eu continuo obstinadamente a frequentar os sítios que claramente já não são para a minha idade; deparando-me, a cada dia, com a realidade que finjo não ver.



Finalmente, hoje dou por mim a partilhar a minha crise existencial com a senhora que me faz a depilação (a Graça); o que, algo me diz, não pode ser bom sinal.


Acho que deviam avisar as pessoas, sinceramente... falam tanto da “crise da meia idade” da “crise da adolescência” da “menopausa” da “andropausa” e do caneco e do camandro... também deviam falar da “fase pela qual as pessoas passam quando percebem que estão a ficar adultas mas que querem ficar adolescentes para sempre”'.

imagem: Quinten MASSYS [1525-30] A Grotesque Old Woman, National Gallery, Londres.

Marcadores: , , , , , ,

18 setembro 2007

Tráfico de influências em Portugal.


'[...] For a new era of openness among Portugal’s law firms to succeed, transparency in the Government and among clients is a must, which will be difficult in a market where a relatively small number of elite families occupy positions of power and authority. Complaints have been raised about those firms with family links to the Government using their connections to win mandates. The tender processes for the building of the new airport for Lisbon and the high-speed TGV rail link between Lisbon and Madrid — valued at E4bn (£2.7bn) and E7.5bn (£5.1bn) respectively — which are set to provide business for the next few years, will offer the opportunity to show whether politics still plays a significant role in the legal market [...]'

Claire RUCKIN, 'Iberia: Talking about a generation', in Legal Week, 11.2.2007

Marcadores: , ,

DJs no Museu do Chiado


MUSEU CÓSMICO

DJ SET DE RUI MIGUEL ABREU

convidados
JOSÉ BELO (Bloop:Recordings)
MIKE STELLAR (Journeys)

vídeo
ZEKAN

23 Setembro. Domingo. 16:00 às... 19:00 h [!!!]
Entrada livre


MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Museu do Chiado
Rua Serpa Pinto, 4
1200-444 Lisboa
Tel. + 351 213 432 148 | Fax + 351 213 432 151
mchiado@ipmuseus.pt

Marcadores: , , , , , ,

'Couture', no V&A.

'Crise' nos mercados financeiros: a visão britânica


95/07

17 September 2007
Statement by the Chancellor of the Exchequer on financial markets

[...]

this is an international problem affecting countries throughout the world, including the United States and here in the United Kingdom

Many banks and other financial institutions all over the world are experiencing problems.

Here in Britain, we meet these challenges against a background of a strong economy, one that has grown for over sixty consecutive quarters.

In addition, we have historically low inflation, which has, in turn, seen low interest and mortgage rates.

Our economic, monetary, fiscal and regulatory framework and tripartite system for the financial markets has underpinned the stability of our economy, and has enabled us to deal with previous international financial turbulence.

And on an international level the world economy is forecast to grow at five per cent this year.

Secretary Paulson and I have discussed measures we believe are necessary to improve the regulation of international markets, to encourage greater transparency, and to strengthen cross-border cooperation and communication. We look forward to discussing all of these issues at the IMF meetings in Washington next month.



In relation to Britain and Northern Rock, the Financial Services Authority has repeated again over the weekend and today that Northern Rock is solvent and with a sound long term loan book, but has had short term liquidity difficulties. The support I authorised the Bank of England to offer Northern Rock last week is designed to overcome these short-term difficulties, and to enable it to do its business in the normal way.

As I have said on many occasions over the past few days, people are able to get their money out if that is what they want to do.



I want to put the matter beyond doubt. In the current market circumstances, and because of the importance I place on maintaining a stable banking system and public confidence in it, I can announce today that following discussions with the Governor and the Chairman of the FSA, should it be necessary, we, with the Bank of England, would put in place arrangements that would guarantee all the existing deposits in Northern Rock during the current instability in the financial markets.


This means that people can continue to take their money out of Northern Rock. But if they choose to leave their money in Northern Rock, it will be guaranteed safe and secure.

As I have discussed with Secretary Paulson, we will continue to work here and internationally to do everything we can to maintain a stable and strong economy'.



A questão que se coloca é a seguinte: se o Northern Rock for o primeiro de vários, o banco central inglês paga tudo a todos? Isto porque o 'problema de liquidez' do Northern Rock tinha sido apresentado inicialmente como banal e de importância menor... Mas se for tão vulgar, como pode o governo inglês assegurar todos os depósitos? Não pode. Mas esta questão, que aqui se coloca, não deve passar na cabeça da maioria dos ingleses ou europeus. Se passasse, aí sim, teríamos uma bancarrota. Vamos ver se é uma simples flutuação, ou de o início de um ciclo de baixa, bem desagradável...


imagem: HM Treasury, Londres.

Marcadores: , , , , ,

17 setembro 2007

José Sócrates, Primeiro-Ministro.


Antes de mais, uma nota: não conheço José Sócrates nem tenho, quanto a ele, qualquer opinião pessoal.

Admito até a hipótese de me esquecer que ele existe meses depois de deixar o cargo [mesmo que depois volte como candidato nas presidenciais de 2016 [?]].

Tenho no entanto dúvidas quanto ao seu perfil profissional.

Digo isto à margem do caso Independente. Admitamos que o caso Independente não tem importância, até porque já nem se fala dele, como se o tudo fosse nada.

Admitamos até, como me diziam há uns tempos [sem me convencer em absoluto], que o perfil académico é irrelevante. Que basta 'boas características pessoais' e estudo e trabalho, e 'saber de experiência feito'.

Quis tirar conclusões e li a 'biografia' [não lhe chamaram CV] do PM, no website da PCM.

Tirando o facto de o actual titular do cargo chamar-se José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa e ter nascido em Vilar de Maçada, concelho de Alijó, distrito de Vila Real, em 6 de Setembro de 1957, e de ser -- segundo o texto -- 'licenciado em engenharia civil' [sem dizer onde] e 'Pós-graduado em Engenharia Sanitária, na Escola Nacional de Saúde Pública' [cujo bar tem uma tarte de maçã fantástica, que recomendo], temos o seguinte perfil:

Militante do Partido Socialista desde 1981

Presidente da Federação Distrital de Castelo Branco entre 1986 e 1995

Membro do Secretariado Nacional do Partido Socialista desde 1991, e membro da Comissão Política do PS

Porta-voz do PS para a área do Ambiente a partir de 1991

Deputado à Assembleia da República de 1987 a 1995 e desde 2002 (V, VI, VII, VIII e IX Legislaturas), pelo círculo de Castelo Branco, tendo sido, na IX Legislatura, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS, membro da Comissão Parlamentar de Defesa Nacional e membro da Comissão Permanente da Assembleia da República

Membro da Assembleia Municipal da Covilhã

Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território do XIV Governo Constitucional

Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro do XIII Governo Constitucional

Secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente do XIII Governo Constitucional

Eleito Secretário Geral do Partido Socialista em Setembro de 2004



Vamos dissecar
.


Tirados os dados pessoais e académicos sobrou o que se viu. Vamos agora retirar os cargos partidários. Sobra o seguinte:

Deputado à Assembleia da República de 1987 a 1995 e desde 2002 (V, VI, VII, VIII e IX Legislaturas), pelo círculo de Castelo Branco, tendo sido, na IX Legislatura, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS, membro da Comissão Parlamentar de Defesa Nacional e membro da Comissão Permanente da Assembleia da República

Membro da Assembleia Municipal da Covilhã

Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território do XIV Governo Constitucional

Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro do XIII Governo Constitucional

Secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente do XIII Governo Constitucional


Vamos agora retirar os cargos exclusivamente políticos: não sobra nada.

Coloca-se a questão: será adequado para o sector público alguém que nunca trabalhou no privado, que nunca esteve -- pelo perfil que se leu -- numa empresa, ou numa fundação, ou numa qualquer associação ou entidade?

Qual o seu 'saber de experiência feito'? Qual a sua qualidade profissional? Qual a sua qualidade cultural?

O que torna o seu CV apetecível para um empregador como o Governo, nesta sociedade global e competitiva?

Não sei. Mas vou ficar a pensar no assunto, tendo no entanto consciência que os Portugueses, ao recrutarem o seu Governo, são bem menos exigentes do que as empresas em que trabalham. Mesmo que sejam funcionários públicos...

Bem sei que o Estado paga mal, e que o salário de PM é miserável. Mas enfim...

Marcadores: , , , , , ,

O 'Governo' de Portugal.


Acabo de consultar o website do Governo português e fiquei intrigado.

Não pelo CV do PM [não sou daqueles que têm paciência para analisar as alterações e comparar o CV do PM antes e depois do caso 'Universidade Independente'].

Mas pela actual estrutura [hierarquia?] dos membros do Conselho de Ministros, que se copia abaixo:

Primeiro-Ministro


Ministro dos Negócios Estrangeiros
Ministro de Estado

Ministro das Finanças
Ministro de Estado

Ministro da Presidência

Ministro da Defesa Nacional

Ministro da Administração Interna

Ministro da Justiça

Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional

Ministro da Economia e Inovação

Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social

Ministro da Saúde

Ministra da Educação

Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Ministra da Cultura

Ministro dos Assuntos Parlamentares


Fiquei surpreendido não pelos ministérios que nem sabia que existiam, nem pelos mnistros que não sabia quem eram, nem pelos ministros que não sabia que ainda não tinham sido 'afastados'.

Fiquei surpreendido, sim, pela estrutura.

A ser hierárquica -- e tudo indica que o é, logo a começar pelo PM e pelos Ministros de Estado os habituais MNE e das Finanças -- é triste.

E é triste porque revela a causa de todos os males [internos] do nosso Portugal:
com a Cultura e a Educação em baixo, para não falar da Saúde e da Ciência [e pobre democracia, com o Ministro dos assuntos parlamentares em último!], o país não vai a lado nenhum.

Marcadores: ,

3o anos da morte de Maria Callas




Nunca tive paciência para efemérides, mas não hesito em recolher a sua vantagem: exibição daquilo que por vezes só aparece nas efemérides. É o caso de Maria Callas, que parece esquecida entre efemérides, num mundo onde há quem prefira o estilo [nós não] Andreas Bocellis e Pavarottis.



É como comparar um pitbull a um galgo: ambos são cães, o pitbull é forte, mas falta-lhe muita souplesse... E fico-me por aqui. Vou aproveitar os programas e filmes sobre 'A Callas', que andam a passar por aí.



imagem: Callas com Pasolini, esse grande maluco.

Marcadores: , , , ,

Há vida para além de Maddie.

Não nos referimos a qualquer tipo de reincarnação, mas ao facto de muitos portugueses estarem já fartos do caso Maddie, tal como Lorenzetti esteve sempre ao longo destes meses.

Porquê então falar dele?

Para recordar que há quem tenha referido que nesta discussão sobre a culpa dos pais [que mereceu um vergonhoso programa 'prós e contras' na RTP, a meu ver bem mais grave que o 'murro' de Scolari [porque planeado e envolvendo imensas pessoas e um canal público de televisão, bem como o desrespeito pelo princípio da presunção de inocência e a imitação de um tribunal popular] se esqueceu 'Maddie', a criança.

Gostava de lembrar que além de já se ter esquecido a criança a favor dos pais, esqueceram-se também outras realidades bem mais importantes: a política nacional e todas as outras crianças desaparecidas [para a qual os fundos na conta dos McCann parecem ainda não ter servido para nada, nem falando a comunicação social desses outros casos: ou fala de vários ou não nos canse com o mesmo].

Marcadores: , , , , , ,

16 setembro 2007


Enrico CASTELNUOVO [org.] [1995] Ambrogio Lorenzetti. Il Buon Governo. Milano: Electa

Marcadores: , , ,

Valentino reforma-se.

Lorenzetti não consegue apurar se foi com medo do fim das reformas daqui a uns tempos.



Sinto que tudo o que é bom está a desaparecer. Ficar velho deve ser isto.



Marcadores: , , ,

15 setembro 2007

Petrucciani, Konitz e o gato.


Toot Sweet

1. I Hear A Rhapsody
2. To Erlinda
3. Round About Midnight
4. Lover Man
5. Ode
6. Lovelee

Lee Konitz [saxofone] + Michel Petrucciani [piano] + gato [na capa]

Centro Musical Bösendorfer, Paris, 25.5.1982, remasterizado em 2oo1, Universal Music

Marcadores: , ,

Harry Potter.



'Potter não é literatura e nada tem a ver com literatura, a não ser juvenil.

É entretenimento, de qualidade'.

'Não vejo mal em desvendar o desfecho [...] O marketing, aliás, vive desses episódios de falso suspense, cuidadosamente preparados para vender mais'.

Clara FERREIRA ALVES, DN, 15.0.2oo7, p.11.

Marcadores: , , , , ,

14 setembro 2007

Buddy de Franco + Oscar Peterson e amigos



De Franco,Oscar Peterson, Herb Ellis, Ray Brown, Louis Bellson [1954] Buddy de Franco & the Oscar Peterson Quartet, Verve Records, remasterização de 2oo5 a 24 bit, Membran Music Ltd.

1. Sweet And Lovely [Arnheim | Lemare | Tobias]
2. Fascinatin’ Rhythm [Gershwin| Gershwin]
3. Love For Sale [Porter]
4. Easy To Love [Porter]
5. Pick Yourself Up [Kern | Fields]
6. They Can’t Take That Away From Me [Gershwin | Gershwin]

Marcadores: , , , , , , ,

Acções do Northern Rock caem 21% ao início da manhã.



Foi assim.

Acordei com uma mensagem do HM Treasury com o título 'Liquidity support facility for Northern Rock plc' e os noticiários estavam histéricos. A Bloomberg dizia que a queda das acções do Northern Rock era de 15% logo ao abrir da bolsa e agora, ainda início da manhã, ia a 21%.

Segundo o Treasury, o Chancellor of the Exchequer autorizou o Banco de Inglaterra a conceder um empréstimo [neste caso chamado 'liquidity support facility'] com garantia e taxa de juro não divulgadas [a taxa será penal, mas enfim, a penal e um banco central... e a garantia muito provavelmente as hipotecas dos empréstimos à habitação conferidos pelo Northern Rock]. A decisão do Chancellor foi feita por recomendação do Governador do BoE e pelo presidente da FSA, nos termos do MoU entre o BoE, a FSA e a HM Treasury.


O empréstimo serve para o Northern Rock financiar as suas operações [basicamente evitar incumprimento de outras transacções, 'default', que seria terrível -- uma vez que estaria em causa o 'cross-default', pois se incumprisse um contrato, todos os outros poderiam estar em risco]. A questão a saber -- e que em muito determina se vale a pena aproveitar esta queda para comprar Northern Rock, e recuperar mais tarde os 21% de queda desta manhã, e eventualmente o que cair à tarde -- é se o Northern Rock irá cumprir um dos fins deste empréstimo: resolver rapidamente os seus problemas de liquidez.

Este é um exemplo de escola para os alunos das universidades, em especial direito bancário: aqui está um caso de acção de um banco central como 'prestamista de última instância' ou 'lender of last resort'.

Vamos ver como acaba o caso, e se não acaba o Northern Rock.

Cotação no momento deste post:

NRK NORTHERN ROCK PLC ORD 25P

NTHN.ROCK | Currency GBX
All data delayed by at least 15 minutes

As at 14-Sep-2007 8:17:10
502.500 Price Move -136.50 -21.36%



Bid Offer Volume High Low Last Close
502.00 503.00 18,066,410 529.00 491.00 639.00 on 13-Sep-2007
Results of opening auction Results of closing auction
Price : - Volume : - Price : - Volume : -
Special conditions Period name
NONE OBT
Last 5 trades
Time/Date Price Volume Trade value Type
08:17:09 14-Sep-2007 504.00 393 1,980.72 Ordinary Trade
08:17:07 14-Sep-2007 502.50 4,000 20,100.00 Automatic Trade
08:17:05 14-Sep-2007 503.50 392 1,973.72 Ordinary Trade
08:17:04 14-Sep-2007 503.50 20 100.70 Automatic Trade
08:17:02 14-Sep-2007 502.00 2,335 11,721.70 Automatic Trade

Marcadores: , , , , , , , ,

13 setembro 2007

Scolari é um copinho de leite...

... ao pé destas 'meninas' [e neste caso a PJ pode bem dizer que tem provas...].





Sobre o episódio 'Scolari entre os Sérvios', apenas 3 notas:

(i) um treinador, sobretudo da selecção nacional, num jogo de importância, não pode andar à estalada. Dá péssima imagem de si, dos clubes, do país, e de um desporto que os que não o apreciam criticam, muitas vezes, como de broncos, para não dizer pior. Casos destes acabam por ser generalizados, com as consequências que se conhecem, e péssimas para quem gosta de futebol;

(ii) é evidente, pelo vídeo, que foi um murro. E a desculpa de proteger Quaresma é ridícula. Desde logo dado que Quaresma é bem mais novo [sem ser criança...], desportista e musculado, e certamente bem mais capaz de se defender do que seria Scolari...

(iii) com os portugueses entretidos com Scolari e Maddie, o Governo e a Assembleia da República [que como se viu recentemente, tem mais popularidade quando está inactiva] bem podem ir de férias prolongadas.

Marcadores: , , , , , , , ,

Miles Davis Ahead com Gil Evans.



Foi o primeiro álbum de Miles com Evans, em 1957. Cool jazz antes do famoso Porgy and Bess e do genial Sketches of Spain.

O arranjo de Gil Evans é tal que o álbum é como que um concerto no sentido clássico da palavra, i.e. concerto com vários andamentos [elaborados por gente como Kurt Weill, Ira Gershwin ou Dave Brubeck], a saber:

1. Springsville [Carisi]
2. The Maids of Cadiz [Leo Delibes]
3. The Duke [Dave Brubeck]
4. My Ship [Ira Gershwin / Kurt Weill]
5. Miles Ahead [Davis | Evans]
6. Blues for Pablo [Evans]
7. New Rhumba [Ahmad Jamal]
8. The Meaning of the Blues [Bobby Troup / Worth]
9. Lament [J.J. Johnson]
10. I Don't Wanna Be Kissed [By Anyone But You] [Elliott | Spina]

Miles DAVIS | Gil EVANS [1957] Miles Ahead, Columbia Records [remasterização de 1997 a 20 bit, Sony Music, com 4 extras]

Marcadores: , , , ,

Edward Hopper em Washington


National Gallery of Art
4th St. @ Constitution Avenue Northwest 20565, Washington, EUA
+1 202 737 4215
Edward Hopper
16 Setembro de 2oo7 a 21 de Janeiro de 2oo8

Não fui, mas recomendo na mesma.

50 óleos, 25 aguarelas, 12 gravuras incluindo os famosos Nighthawks, 1942, Early Sunday Morning, 1930, e Automat, 1927.

imagem: Edward HOPPER [1939] New York Movie

Marcadores: , , , , ,

Bud Powell, Jazz Giant



Bud POWELL [1949-1950] Jazz Giant
remasterizado em 2oo1 [Verve Master Edition]


1. Tempus Fugue-It (Tempus Fugit)
2. Celia
3. Cherokee
4. I'll Keep Loving You
5. Strictly Confidential
6. All God's Chillun Got Rhythm
7. So Sorry, Please
8. Get Happy
9. Sometimes I'm Happy
10. Sweet Georgia Brown
11. Yesterdays
12. April In Paris
13. Body And Soul

Bud Powell [piano], Ray Brown e Curly Russell [baixo]; Max Roach [bateria].

Marcadores: , , , ,


'People connected with literature and philosophy are busy all their days in getting rid of second-hand notions and false standards. It is their profession, in the sweat of their old fresh view of life, and distinguish what they really and originally like, from what they have only learned to tolerate perforce'.

Robert Louis STEVENSON [1913] An Inland Voyage, London: Chatto&Windus, p.19 [a primeira edição é de 1878]

Marcadores: , ,

12 setembro 2007

Chineses na 'Baixa' de Lisboa.


Hoje ao almoço discutiu-se, entre outras coisas, a chinesice de tirar os chineses da baixa de Lisboa.

Sinceramente não vou à baixa. Adorava, mas não vou. É um pouco como África: tenho medo e calor.

A Baixa -- não confundir com o Chiado, bem mais elegante, embora ainda pouco sofisticado [e foi daí que veio a foto] -- resume-se a lojas decadentes, ruas estreitas e sujas, com carros e sem espaço para pessoas -- e também sem espaço para parar os carros.

Estou-me nas tintas para a ideia de tirar as lojas chinesas da Baixa.
Se não fosse pelos acordos da OMC e a Constituição Portuguesa, bem como as boas relações diplomáticas com a China, era e é, sobretudo, porque as restantes não são muito piores.

Tem de agir-se na Baixa.

Mas essa acção não se resume -- nem pode incluir -- a retirada de lojas chinesas da Baixa. Sobretudo para as colocar numa duvidosa 'Chinatown', que seria ainda pior, arriscando-nos a ter um ghetto povoado ou pelo menos dominado por máfias asiáticas sinistras e perigosas, se não para quem lá fosse, para quem lá vivesse ou trabalhasse.

O que é preciso na Baixa -- como de resto no resto de Lisboa e no resto do país -- é limpeza e qualidade.

Limpar ruas e paredes, pintá-las, ter espaço para carros e pessoas, ter transportes públicos decentes, ter segurança nas ruas, e ter lojas limpas, com boa apresentação, produtos de qualidade, atendimento profissional.

Fim às lojas sujas, mal-cheirosas, mal amanhadas, com tudo amontoado, empregados antipáticos e ignorantes e que muitas vezes nem falam português e muito raramente inglês, fim aos preçários feitos à mão em papel de rascunho com canetas de feltro, colocados na rua mesmo para se tropeçar ou ser atropelado ao usar a estrada, fim às montras de mau gosto, à falta de ar condicionado, aos produtos de plástico ranhoso ou que não interessam para nada, às lojas sem multibanco ou que não aceitam cheques, ou que têm sempre tudo esgotado, ou que fecham aos fins de semana ou nas férias, ou à tarde, ou ao almoço, fim às lojas que não fazem embrulhos de presente ou os fazem mal, e aos empregados que nos atendem como se fosse uma deferência ou favor da parte deles...

Parece que só se consegue algo de jeito indo à Carolina Herrera, à Zegna ou à Vuitton na Avenida da Liberdade [e mesmo assim...].

É isto que é preciso mudar, e isto abrange tanto lojas chinesas, como portuguesas, como indianas. Todas. Em Lisboa e fora dela. E nem vamos falar de cafés, bares ou restaurantes... para não perder a sede ou o apetite.

Não pode ser.

Se conseguirmos isto, podemos considerar-nos civilizados. Para já, vou aos saldos de Londres. É que nem sai mais caro...

Marcadores: , , , , , , , , , , , ,

Don't Kiss the Girls, Make Them Cry



'[...]romance is as rare as a corded phone among adolescents -- or at least among those teenagers privileged enough to attend Milton Academy outside Boston.

The sex life of Milton students came to national attention two years ago when five hockey players were expelled for receiving oral sex from a sophomore girl in the team's locker room. The girl, who was 15 at the time, was put on administrative leave and eventually returned to class, while three of the boys were charged with statutory rape. The Milton student body divided over whether such treatment was fair, but most seemed to agree that what "Zoe," as the authors dub her, did with those five boys was just an extreme version of what went on all the time at the school.

[...]

girls who are willing, eager even, to submit to boys. And to their credit, Jones and Miley don't gloss over how sexist, and humiliating, this state of affairs is. Jillian, a smart impassioned writer for one of the school's papers, recognizes that Zoe's "behavior was part of a larger high school culture in which sex and girls' deference to boys reigned." Yet, this clever girl (whose name, like that of the other students, has been changed) got drunk at a party and loudly begged everyone there for a condom so she could have sex with a boy who'd just told her he loved someone else. When one of Jillian's friends hears of Zoe's disgrace, she chants to herself in horror, "I could have been her."



But Jones and Miley offer no conjecture about why this sex is so one-sided, why the guys get pleasured and the girls do the pleasuring. (And whatever happened to kissing?) As marriages move closer and closer to equality, why are teenage boys the keepers of the chauvinist flame? One kid, a hockey player but not a member of the locker room gang, helpfully explains that "he loved not having to do any of the work." So one could blame "a sports culture that promoted the use and abuse of girls," as Jones and Miley do for the event that led to the expulsion. But that doesn't illuminate why Annie drops everything to service Scott, a flabby fellow with bad breath.



Adults are easily evaded in this world. Dorm rooms are sneaked into and out of. The parents of day students unwittingly host drunken orgies in their basements. And readers learn that it's easy to sneak into the chapel for sex during a school dance.One of the hockey players charged with statutory rape eventually sued Milton, claiming (with a straight face, presumably) that the school "did not do its job in preventing sexual acts among students and fostered an environment in which students could easily break rules." [...]'


texto: Don't Kiss the Girls, Make Them Cry, Rachel Hartigan SHEA, no Washington Post de 11.9.2007, p. C02

filme1: Larry CLARK [1995] Kids
filme2: uma desgraçada qualquer no YouTube.

Marcadores: , , ,

Miles Davis + Ron Carter + Herbie Hancock + amigos


Ainda longe das modernices, mas já longe da seca, um Miles Davis muito equilibrado e um Herbie Hancock quase clássico, ainda em formação, e que aqui apareceu em substituição.

1. Basin Street Blues
2. Seven Steps To Heaven
3. I Fall In Love Too Easily
4. So Near, So Far
5. Baby Won't You Please Come Home
6. Joshua
7. So Near, So Far [extra]
8. Summer Nights [extra]


Seven Steps to Heaven
Miles Davis [trompete]; George Coleman [saxofone]; Victor Feldman, Herbie Hancock [piano]; Ron Carter [baixo]; Tony Williams, Frank Butler [bateria].

Hollywood, California, Abril de 1963 e Nova York, Maio de 1963
remasterização de 2oo5, Columbia Records [Sony Music]
colecçção completa: Seven Steps: The Complete Columbia Recordsings of Miles Davis, 1963-1964.

Marcadores: , , , , , ,

11 setembro 2007

Possível avô, alegado criminoso, e verdadeiro conoisseur.

Foi preso hoje o colombiano Diego Leon Montoya Sanchez, AKA Diego Montoya, AKA também por "Don Diego", "El Señor De La Guerra" e "El Ciclista".

Era um dos 'dez mais' do FBI e alegado maior traficante de coca.

Na mesma lista dos '10 mais', além do já clássico Bin Laden -- cujos estranhos vídeos não dão para perceber se existe -- surge um outro procurado pelo FBI referido também em português.



'Bulger é leitor ávido, interessado em história. Tem fama de frequentar bibliotecas e lugares históricos. Bulger toma um remédio para o coração chamado Atenolol (50 mg) e mantém sua forma física caminhando pelas praias e parques, com sua companheira Catherine Elizabeth Greig. Bulger e Greig amam os animais e é provável que frequentem os abrigos de animais. Sabe-se que Bulger tem se utilizado de disfarces para alterar sua aparência. Já viajou muito pelos Estados Unidos, Europa, Canadá e México.

ATENÇÃO

JAMES J. BULGER ESTÁ SENDO PROCURADO POR SUA PARTICIPAÇÃO EM INÚMEROS ASSASSINATOS, COMETIDOS ENTRE O INÍCIO DOS ANOS 70 E MEADOS DOS ANOS 80, RELACIONADOS COM SUA LIDERANÇA DE UM GRUPO DE CRIME ORGANIZADO QUE, SEGUNDO SE ALEGA, CONTROLAVA EXTORÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO DE DROGAS E OUTRAS ATIVIDADES ILEGAIS NA ÁREA DE BOSTON, NO ESTADO DE MASSACHUSETTS. POSSUI TEMPERAMENTO VIOLENTO E TEM FAMA DE SEMPRE CARREGAR CONSIGO UMA FACA.

CONSIDERA-SE QUE SEJA EXTREMAMENTE PERIGOSO E QUE ANDE ARMADO'

É curiosa a diferença de decrição em letra normal e em maiúsculas, antes e depois do aviso 'ATENÇÃO'.

A julgar pela primeira parte, a bold, será uma companhia bem agradável.

Marcadores: , , ,